Dom Saburido pede um Brasil sem corrupção na procissão de Corpus Christi

78
0
COMPARTILHAR

Em nome da CNBB, Dom Fernando Saburido rezou por um Brasil “sem corrupção e ganância de poder” (Foto: Pascom AOR)
O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, celebrou a solenidade de Corpus Christi nesta quinta-feira (15/06), às 17h, na Catedral de Olinda. A missa foi concelebrada pelo vigário episcopal de Olinda, monsenhor José Albérico Bezerra. A solenidade é uma “Festa de Guarda”, obrigatória para os católicos. A procissão do Santíssimo, neste dia, é uma recomendação do Código de Direito Canônico, para testemunhar publicamente a adoração e veneração do Corpo de Cristo.

Por recomendação da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), ao final da procissão, na Catedral de Olinda, os fiéis foram convidados a rezar pelo Brasil, pedindo mais igualdade, ética e justiça social. “O Evangelho de Jesus é exemplo de amor e fraternidade, por isso precisamos de uma consciência renovadora, comprometida com Cristo e sua Palavra e com nossos semelhantes; dessa forma seremos transformados à luz desse Pão da Vida, estando presente na vida do outro sem corrupção e ganância de poder”, comentou dom Fernando. “Não tem sentido comungarmos o Corpo de Cristo sem ter essa convicção que o evangelho nos ensina: o espírito de fraternidade e dignidade, indo ao encontro do irmão”, completou o arcebispo.

A chuva que caiu durante todo o dia na Região Metropolitana obrigou os grupos e movimentos da Igreja a confeccionarem os tradicionais tapetes coloridos dentro da catedral. Os responsáveis pelos tapetes utilizaram material como pó de serra, farinha, sal, pó de café e areia para retratar a Eucaristia, o Sagrado Coração de Jesus, o Cordeiro de Deus, o Jesus Ressuscitado. Um dos tapetes fez referência a Nossa Senhora Aparecida nos 300 anos do encontro da imagem pelos pescadores no rio Paraíba do Sul, em Guaratinguetá, São Paulo. Outro, próximo do altar, trazia o brasão do Arcebispado de dom Fernando.

“Deus enviou o maná dos céus para saciar a fome do povo que buscava a terra prometida; Jesus também demonstrou sua preocupação com o pão material, multiplicando pães e peixes para que todos tivessem alimento para sobreviver; mas o maior presente que Ele nos deixou foi o seu próprio corpo no pão da Eucaristia, para que permaneçamos Nele e Ele em nós, nos dando a vida eterna”, comentou dom Fernando em um trecho da homilia.

A solenidade de Corpus Christi foi instituída pelo papa Urbano IV no século XIII para celebração na quinta-feira depois da oitava de Pentecostes (60 dias após a Páscoa). Na solenidade, canta-se o ofício de Sião, composto por São Tomás de Aquino, e reserva-se um momento para a adoração ao Santíssimo e procissão.


Da Pascom AOR

SEM COMENTÁRIOS