Jaboatão recebe a quarta edição da Aldeia Yapoatan

28
0
COMPARTILHAR

Realizada pelo Sesc Piedade, a iniciativa movimenta programação gratuita
com diversas linguagens artísticas de 15 a 24 de setembro
Dialogando com diversas linguagens artísticas como o teatro, música, dança, circo e artes visuais, o Sesc Piedade realiza a partir desta sexta-feira (15/09) até o dia 24 de setembro a quarta edição da Aldeia Yapoatan. Com programação descentralizada em 12 palcos espalhados pela cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, a iniciativa é braço cultural do projeto nacional Palco Giratório. Durante os 10 dias de atividades serão realizados 70 espetáculos, sete oficinas, cinco cursos, três mesas de conversa, além de um seminário sobre Políticas Públicas.

A grade explora como tema Ancestralidade Desdobramentos e Contextos Contemporâneos. “A Aldeia Yapoatan afirma nesta edição as noções de identidades em Jaboatão, desde o nome que batiza o projeto até os traços curatoriais da programação, o que valoriza a cidade, suas raízes e a contemporaneidade”, explica a coordenadora da iniciativa, Ivana Motta. Entre os destaques desse ano estão a participação da cantora Virgínia Rodrigues, de Salvador, o Grupo Teatro de Vertigem, da cidade de São Paulo, além dos grupos Experimental e Grial.

A programação da Aldeia Yapoatan traz cinco oficinas com os temas: Dramaturgia da Dança (13 a 16/9), Descobrindo a Estética do Oprimido (16 a 18/9), Dança para Crianças (18 e 19/9), Vivências Circenses (18 a 20/9) e Laboratório de Criação Cênica (18 a 22/9). As aulas serão ministradas por professores locais e de estados como São Paulo e Rio de Janeiro, como Flávia Meireles e o Teatro da Vertigem. As inscrições podem ser realizadas no site do Sesc (www.sescpe.org.br).

A expectativa é a de que cem mil pessoas participem das atividades, que possuem caráter artístico e pedagógico. “Este projeto gera um movimento que influencia toda a cadeia produtiva da cultura, estimulando a atividade econômica, valorizando os profissionais e a especialização de pessoas ligadas a produção, além do consumo de bens e serviços na região”, ressalta Motta.

Antes da abertura oficial do projeto, o Sesc movimenta a Pré Aldeia. Entre os dias 12 e 14 de setembro, serão realizadas intervenções no Metrô Cajueiro Seco e Prazeres, no Mercado das Mangueiras e na Feira de Cavaleiro. Entre as apresentações estão “Intervenções Quase Espetaculares” (Trupe Circuluz) e “A Chegada de Godot” (Luiz Manoel). A exposição “Mão Molenga – Cenas de Uma História” poderá ser visitada até dia 13/10 , de segunda a sexta feira das 9h às 17h no Ateliê Esquina 40 em Piedade.

Abertura – O projeto será aberto oficialmente no dia 15, a partir das 16h, com um cortejo cultural na Praça Nossa Senhora do Rosário, no Centro de Jaboatão. As apresentações vão acontecer no palco da unidade móvel do TeatroSesc, estacionado no local. Participam o Maracatu Sedução, Maracatu Xangô Alafim, Boi Sorrizo, Maracatu Aurora Africana, Tribo Indígena Carijós do Recife, Caboclinho 7 Flexas, Afoxé Omo Inã, Afoxé Filhos de Dandaluna, Orquestra de Frevo 90 Graus, Pastoril Estrela Guia do Cabo, Ballet Popular de Jaboatão dos Guararapes, Banda de Fanfarra Escola Henriqueta de Oliveira, Som na Rural e Zamboclã. Além dos grupos de música e dança, haverá palhaçaria com a Cia de Fiadeiros, Cia 2 em Cena, Kamikaze, Trupe Carcará, Jaqueson Santana, Circo da Trindade, Trupe Circus, Grupo Matraca, Mamulengo Jurubeba e Loucos e Oprimidos da Maciel.

Dança – Este ano, oito grupos participam da Mostra de Dança que acontece no sábado (16/09) no palco da carreta do TeatroSesc, na Praça do Rosário. A partir das 16h, o público poderá assistir as apresentações “Conexão Cultura Nordestina” (Balé Popular de Jaboatão dos Guararapes), “Jasmim Árabe” (Mayara Narim), “Encontro” (Cia Ferreiras de Dança), “Flor de Cana” (Grupo de Dança da Terceira Idade Resistência do Sesc Santa Rita), “Vivências” (Grupo de Dança do Sesc Goiana), “Jogos de Cena” (Grupo Corpore) e “Eu Sou Todas Elas” (Grupo Pussytivismo). Já às 20h, é a vez do Coco Vermelho, de Jaboatão, subir ao palco.

Exposição – Estará em cartaz no Ateliê Esquina 40 a exposição “Mão Molenga – Cenas de Uma História”. A mostra pensa o boneco como obra de arte, com vida independente da encenação para a qual foi criado. O público pode conferir cerca de 300 peças criadas para as linguagens de audiovisual e teatro. São apresentados vídeos, fotografias, figurinos de época, croquis de personagens e roupas do acervo construído em 31 anos pelo grupo pernambucano Mão Molenga.

Artes cênicas – O Cine Teatro Samuel Campelo, em Jaboatão, recebe deste sábado (16/09) até o 23 de setembro oito peças. A primeira a ganhar o palco é DORalice, da Cia 2 em Cena, às 16h. Com texto escrito e dirigido por Alexsandro Silva, a montagem aborda o abuso familiar. Na programação para o espaço estão as montagens: “Hamlet Fragmentado” (17/09), “Amor Segundo as Mulheres de Xangô” (18/09), “Rei Lear” (19/09), “Salmo 91” (20/09), “Hamlet”, do Coletivo Irmãos Guimarães (DF), que integra o projeto Palco Giratório (21/09), “A Gaivota” (22/09) e “Histórias por um Fio” (23/09).

O Sesc Piedade também receberá apresentações no Palco Teatro de Perto. O público poderá assistir aos espetáculos “Paidéia – Pedagogia da Libertação” (18/09), “O Mascate”, “A Pé Rapada e o Forasteiro” (19/09), “Na Beira” (20/09), “Terror e Miséria no Terceiro Reich” (21/09), “A Visita” (22/09), “O Churrasco” (23/09).

Já nos dias 23 e 24 de setembro, o Teatro Barreto Junior, localizado em Boa Viagem, recebe a peça “O Filho” do Teatro de Vertigem, de São Paulo. Inspirado no livro Carta ao Pai, de Franz Kafta. Com dramaturgia de Alexandre Dal Farra, a montagem discute a fragilidade da paternidade moderna. Serão duas apresentações por dia, sempre às 17h e 20h. Os ingressos para o Cine Teatro Samuel Campelo e Barreto Júnior podem ser adquiridos gratuitamente na bilheteria de cada equipamento uma hora antes da apresentação.

Infantil – As crianças também têm vez na Aldeia Yapoatan. Para elas, foi montado um palco no Colégio Divino Mestre, que receberá apresentações de peças entre os dias 18 e 22 de setembro, sempre às 10h. Com acesso aberto a comunidade, estão na grade: “Do Vestido ao Nariz” (18/09), “Luanda Ruanda” (19/09), “Vento Forte para Água e Sabão” (20/09), “Histórias da Caixola” (21/09) e “O Fio Mágico” (22/09).

Cinema – Nos dias 18 e 21 deste mês, haverá apresentações de filmes e debates no palco Cinema montado na UniFG. Lá, no primeiro dia, a partir das 9h, serão apresentados “Fotográfica” (Tila Chitunda) e “Divas Negras no Cinema Brasileiro” (Vik Birkbeck) com roda de diálogo sobre Narrativas que Perpetuam o Racismo: Papéis Refletidos com Tila Chituanda e Nana Sodré. No dia 21, pela manhã, a sessão traz “Calma, Monga, Calma” (Petrônio de Lorena), “Praça Walt Disney” (Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira) e “Homens Caranguejos” (Paulo de Andrade). O debate colocará em pauta o Cinema Recifense: Olhando Minha Aldeia e Projetando-a Para o Mundo. À noite, a partir das 19h, tem “Ihiato – Narrativas dos Anciãos Fulni-ô” (Elvis Ferreira) e “O Mestre e o Divino” (Tiago Campos Torres) com debate sobre Do, No e Para: Cinema Indígena como Multi Ação.

“Iremos sediar o palco cinema do projeto Yapotan, que terá uma temática voltada para a responsabilidade social e a relação com a sociedade indígena. Os professores da UniFG farão a mediação do debate após a exibição dos filmes. A ação faz parte das atividades de extensão oferecidas pela instituição e está alinhada com a linha educacional do centro universitário, que busca promover sempre ações culturais que estimulem a reflexão”, destaca Leonardo Gomes, coordenador dos cursos de comunicação da UniFG.

Palco Giratório – No dia 22, o Sesc Piedade recebe pela manhã a oficina “Hamlet –Processos de Revelação” com o ator Emanuel Guimarães, do Coletivo Guimarães, de Brasília. O foco é debater as possibilidades que um ator teria para pesquisar suas próprias potências, de forma que ele possa tentar construir sua poética artística. Á tarde, tem o Pensamento Giratório com os Irmãos Guimarães, que estão circulando pelo Palco Giratório e a Trupe Artmanha, um coletivo local. A proposta de diálogo entre eles acontece porque ambos estão com peças inspiradas na obra Hamlet. Serão apresentados o histórico do grupo, passando por todas as etapas de produções e discutindo a trajetória artística. Os interessados em participar podem se inscrever gratuitamente através do preenchimento de formulário no site do Sesc (www.sescpe.org.br).

Terreirada – No dia 23, em Cajueiro Seco, haverá no Terreiro Ilê Axé Xangô, a partir das 9h30, apresentação do Maracatu Nação Xangô Alafim, D’água e Lama, Coco Vermelho e Afoxé Oba Koso, Conversa de Comadres e Compadres sobre “Cultura de Tradição, Cidade e Contemporaneidade” mediado por Aldemar Araújo. Além de Vivência de Terreiro abordando Ancestralidade: Universo Simbólico e o Ritual.

Overdoze – Encerrando o projeto, no dia 24, o Centro Cultural Miguel Arraes, no bairro de Prazeres, recebe uma programação com 12 horas ininterruptas de atividades. A abertura tem início às 10h e segue até às 22h. Por lá, haverá feira de artesanato e comidas típicas, apresentação do Grupo Sesc de Violinos, espetáculos como “Motim e Retratos de uma Lembrança Interrompida”, sarau e premiação do concurso de Poesia do Sesc Piedade. A programação ainda conta com o lançamento do livro A Poética do Equilíbrio: O Método Kum Nye na Criação Artística, de Junior Sampaio e show do Samba de Gira do Grupo Bongar, DJ Rodrigo Porto, da cantora Virgínia Rodrigues, de Salvador.

Seminário de Políticas Públicas – Será realizado no dia 21 de setembro no auditório da Prefeitura de Jaboatão, das 9h às 13h e das 14h às 18h. O mediador do evento será Célio Pontes. Participam o gerente de Cultura do Sesc Pernambuco, José Manoel Sobrinho, a produtora cultural Paula de Renor, a secretária executiva de Cultura de Pernambuco, Silvana Meireles, além de representantes da Prefeitura do Recife e de Jaboatão dos Guararapes, do Movimento de Valorização da Arte e da Academia Jaboatonense de Letras.

SEM COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTÍCIA