HAM suspende cirurgias por falta de pagamento a fornecedores

42
0
COMPARTILHAR

Segundo a deputada Priscila Krause, houve interrupção dos procedimentos nas áreas de cirurgias geral, vascular, plástica, otorrinolaringologia e ginecologia. (Foto: Roberto Soares)
Em pronunciamento na Reunião Plenária, desta quinta (5), a deputada Priscila Krause (DEM) cobrou do Governo do Estado e da Secretaria de Saúde de Pernambuco um posicionamento oficial sobre a suposta suspensão das cirurgias eletivas no Hospital Agamenon Magalhães (HAM), no Recife. A parlamentar informou ter tomado conhecimento sobre a interrupção dos procedimentos nas áreas de cirurgias geral, vascular, plástica, otorrinolaringologia e ginecologia. O fato, segundo ela, teria ocorrido por falta de pagamento aos fornecedores da unidade de saúde.

A deputada sublinhou que o HAM abriga residências médicas e, por isso, além dos pacientes e profissionais, alunos também estariam sendo prejudicados. “Temos relatos de que estaria tudo suspenso por 15 dias. O pior é a situação continuar sem um posicionamento oficial, o que gera insegurança. Há pacientes que chegam do Interior e não sabem se a sua cirurgia será realizada ou não”, expressou. De acordo com a parlamentar, os pacientes estariam sendo obrigados a peregrinar por outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), correndo o risco de ter seus problemas agravados.

Priscila Krause também registrou, no pronunciamento, a celebração, nesta quinta, dos Dias Nacional e Estadual da Micro e Pequena Empresa. Ela sublinhou que, de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o setor movimenta 27% do Produto Interno Bruto (PIB) e assegura empregos para mais da metade dos trabalhadores formais brasileiros. Também apontou os avanços com o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte e a lei do Simples Nacional.

“De janeiro a maio de 2017, segundo o Serasa, 80% dos negócios constituídos foram na forma de microempreendedores individuais. Se nossa economia começa a demonstrar sinais de crescimento com retomada do emprego e da renda, muito se deve a eles e às micro e pequenas empresas”, afirmou.

Para favorecer o setor, ela defendeu a desburocratização no processo de abertura de empresas, projetos de capacitação para os empreendedores e o cumprimento da lei que garante que 25% das compras governamentais sejam feitas às microempresas. Também declarou o apoio ao movimento “Compre do Pequeno Negócio”, idealizado pelo Sebrae

SEM COMENTÁRIOS