Mutirão emite 1.800 documentos para vítimas de enchentes

47
0
COMPARTILHAR

Os números foram apresentados no Gabinete de Crise, monitorado pelo Governador Paulo Câmara,
em mais uma reunião realizada neste sábado (Foto: Wagner Ramos/SEI)
O mutirão de resgate da cidadania, estabelecido nesta última semana pelo Governo de Pernambuco, já percorreu oito cidades atingidas pelas enchentes na Mata Sul e Agreste do Estado. No total, foram emitidos mais de 1.800 documentos, entre registros de nascimento (877), comprovantes de CPF (135), carteiras de identidade (800), registros de casamento (60) e certidões de óbito (5). Os números foram apresentados no Gabinete de Crise Central, monitorado pelo Governador Paulo Câmara, em mais uma reunião realizada neste sábado (17.06), no Palácio do Campo das Princesas. O encontro reuniu secretários de Estado responsáveis pelos escritórios regionais e dirigentes de órgãos que atuam na Operação Prontidão.

“Essa ação é essencial para as pessoas que precisam dar entrada na aquisição de uma nova moradia, seja por financiamento, seja por doação ou através do Minha Casa Minha Vida, possam ter condições de apresentar toda a documentação legal. Em três semanas do ocorrido, felizmente, muitas cidades já estão voltando a sua normalidade, mas o Governo de Pernambuco ainda não encerrou os trabalhos. Temos uma nova fase de reconstrução de tudo que foi destruído pelas enchentes e, em paralelo, estamos atuando com a ajuda humanitária e a promoção do resgate e acesso à cidadania, através da oferta gratuita da emissão de documentos básicos”, destacou o secretário de Planejamento e Gestão, Márcio Stefanni.

Promovido pela Secretaria de Defesa Social, com apoio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, o mutirão atendeu, até o momento, os municípios de Belém de Maria, São José da Coroa Grande, Palmares, Gameleira, Catende, Barreiros, Água Preta e Cortês. Hoje (17.06), a ação atende a cidade de Ribeirão e segue para Jurema e São Benedito do Sul, no dia 19, e Belém de Maria e Sirinhaém, no dia 20 deste mês.

Além disso, o Governo de Pernambuco continua atuando, junto ao Governo Federal, para agilizar a liberação dos recursos para a complementação das barragens e obras contenção das áreas de deslizamento das encostas. Foram contabilizadas por técnicos da Defesa Civil do Estado cerca de 750 moradias – 3.750 pessoas – de nove municípios, avaliadas como classificação de risco grau 4. Além da aplicação de 170 mil metros de lonas nessas áreas de risco, um Plano de Trabalho está sendo elaborado pelas equipes competentes para aquisição de geomantas nos pontos cadastrados, sendo necessário um investimento de R$ 30 milhões da União para esta intervenção.

O Chefe da Casa Militar, coronel Eduardo Pereira, explicou como foi feito o levantamento e escolha dos municípios que receberão a geomanta, após a liberação do valor pelo Governo Federal. “A geomanta é uma técnica exitosa, que já foi utilizada aqui, no Recife, e teve um resultado satisfatório. Ela evita que as pessoas precisem sair das suas casas, pois oferece a segurança necessária, além de ter um custo e tempo muito menor do que a construção de novas moradias. Para a escolha das cidades, equipes com engenheiros e geólogos estudaram as características e especificidades de cada encosta para saber em quais cabem a colocação e, também, escolheu-se aqueles áreas que abrigam uma quantidade maior de pessoas”, esclareceu.

BALANÇO

O Gabinete de Crise, que cuida da Operação Prontidão, registrou um total de 2.064 pessoas desabrigadas e 33.779 desalojadas. Ao todo, já foram distribuídos 178,4 mil metros quadrados (m²) de lonas; 12.790 kits dormitórios; 12.318 colchões; 203,7 toneladas de alimentos; 250,6 mil litros de água; 10.159 kits de limpeza; 5 mil kits de higiene; e 112,4 toneladas de roupas.

SEM COMENTÁRIOS