Projeto Educação Inclusiva dá prêmio nacional a Jaboatão

19
0
COMPARTILHAR

Projeto pioneiro garante prêmio nacional para Jaboatão (Foto: Matheus Britto/PJG)
Lançado no último mês de agosto pela Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, o Projeto Educação Inclusiva, pioneiro no Brasil, recebeu, na última sexta-feira (15), o prêmio Desafio Secop 2017, durante a 45ª edição do Seminário Nacional de TIC para a Gestão Pública (Secop), realizada em Porto de Galinhas. O projeto é fruto de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação do Jaboatão e o Instituto Handsfree, e garante a estudantes com dificuldades para escrever a oportunidade de participar das aulas, interagir com professores e colegas por meio da internet. O principal exemplo é o do estudante André Luiz Cavalcante, de oito anos, que está matriculado no 2º Ano Fundamental na Escola Municipal José Rodovalho, e que, adquiriu tetraplegia em decorrência de complicações causadas pela leucemia.

De acordo com dados do Censo 2010, o último realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 45,6 milhões de brasileiros têm algum tipo de deficiência. “Além das limitações físicas, essas pessoas enfrentam grandes dificuldades para estudar, se qualificar e entrar no mercado de trabalho”, comentou a secretária municipal de Educação, Ivaneide Dantas, ao destacara importância do prêmio, “principalmente por ter ocorrido em um dos maiores eventos de tecnologia do Brasil”.

Os números mostram como é desafiador trabalhar com a inclusão social: segundo a Unicef, apenas 5% das crianças com deficiência no mundo completam o ensino fundamental. “Nosso maior prêmio é possibilitar a existência dessa tecnologia e assegurar o direito à educação para todos os jaboatonenses. Educação é fundamental, assim como garantir acessibilidade para todos”, enfatizou Ivaneide.

Para ajudar o aluno André Luiz Cavalcante a assistir às aulas, a Prefeitura montou uma estrutura especial, com uma lousa digital de última geração, microfones, câmeras e um monitor, no qual a imagem do menino é transmitida direto de sua residência. Outros casos semelhantes já estão sendo analisados pela Secretaria de Educação do Jaboatão para serem beneficiados pelo Educação Inclusiva.

SEM COMENTÁRIOS