Especialista faz alerta sobre hábitos saudáveis para idosos

49
0
COMPARTILHAR

Aumento da população idosa desperta para os cuidados que devemos ter ao longo da vida para fazer da terceira idade uma período ativo, saudável e feliz
O Dia do Idoso, comemorado em 1º de outubro, é uma oportunidade de repensar hábitos de vida que podem resultar num envelhecimento melhor, já que as doenças acometidas nessa faixa etária são mais consequências de maus hábitos do que hereditariedade genética, na maioria dos casos. A observação, feita pelo geriatra e tutor da Faculdade Pernambucana de Saúde, Eduardo da Fonte, é um alerta para a população, que está cada vez mais idosa. A proporção de idosos no Brasil, segundo o IBGE, passou de 9,8% para 14,3% em uma década (de 2005 a 2015), e com o crescimento exponencial, a tendência é que em 2050 corresponda a 29,3% da população.

Os bons hábitos, segundo o geriatra, já começam da amamentação e se estendem com um estilo de vida saudável pelo resto da vida. “Com bons hábitos, alimentação adequada e exercícios físicos regulares, pelo menos alguns dos casos de demência poderiam ser evitados”, explica o psicólogo e também tutor da FPS, Leopoldo Barbosa. Eles trabalham juntos num atendimento multidisciplinar no IMIP, hospital escola da FPS, que também atende idosos.

Idosos que vivem isolados, com pouco contato com grupos sociais e família, e convivem com dores causadas por doenças crônicas podem ter prejuízos significativos a sua saúde mental, e a depressão pode ser um dos transtornos presentes nessa faixa etária, associado a essa condição. Por isso o ideal é que os cuidados a saúde sejam multidisciplinares, de forma a pensar globalmente nos tratamentos, que deem mais resultados em todas as funções do paciente.

Um assunto que os profissionais concordam é que sempre há tempo para mudar. Quem teve maus hábitos por muito tempo na vida pode reverter em qualquer idade que sentirá os benefícios. Eduardo só reforça a importância de que mudanças de hábito aconteçam gradualmente, já que mudanças radicais não tendem a ter sucesso.

Atividade física como remédio

Atividade física é um dos melhores remédios que existem, afirmam os profissionais, pois fisiologicamente fortalece os músculos, melhora o condicionamento físico, psicologicamente promove atividade social, melhora o humor e ocupa a cabeça. Isso porque doenças crônicas como hipertensão, diabetes e as osteomusculares (que são dores nas articulações e perda e força muscular), provocam a depressão – por isso, reforça-se a importância da atividade física na rotina de vida, como musculação para a terceira idade, ressalta o geriatra Eduardo da Fonte, considerando um exercício melhor do que caminhadas, por exemplo, para essa recuperação do fortalecimento muscular.

Quando se envelhece, já se aguardam doenças e depressão como uma coisa natural, quando isso não é verdade. Essa situação causa sofrimento no idoso, que muitas vezes é cobrado para que tenha uma personalidade calma, seja mais caseiro e adote uma postura obediente, sem voz ativa nas suas atividades. “A perda dos papeis exercidos ao longo da vida, e até a perda de pessoas queridas causa sofrimento a quem fica”, diz Leopoldo. Então, uma rotina mais ativa é essencial para que o processo natural de envelhecimento seja saudável.

Dicas para envelhecer bem

Estímulos sociais – Sair mais de casa, conviver com os amigos, estar mais perto da família, participar de grupo de idosos, manter uma rotina ativa e independente, ter estímulos de assuntos atuais do mundo para desenvolver senso crítico.

Estímulos cognitivos – Manter a leitura ativa, especialmente de livros, continuar e/ou voltar a estudar assuntos de interesse ou participar de métodos que estimulem exercícios cerebrais, fazer uso de dispositivos tecnológicos para manter interação com informações atuais e com as pessoas. Em muitos momentos, as redes sociais tem sido fonte de estímulo para voltar a praticar novas atividades.

SEM COMENTÁRIOS