Absorventes em escolas públicas: Câmara do Recife aprova fornecimento

Aprovação para distribuição de absorventes em escolas públicas também precisa ser aceita pelo poder executivo municipal

A garantia de dignidade menstrual para estudantes da rede municipal foi pauta aprovada na Câmara do Recife na semana passada. Sendo assim, alunas da rede pública de educação da cidade terão acesso a absorventes de forma gratuita nas escolas.

Absorventes em escolas públicas – conheça proposta

A proposta para distribuição de absorventes em escolas públicas é do vereador Hélio Guabiraba (PSB). Além disso, tem como uma das justificativas a garantia de higiene para as estudantes e o combate à evasão escolar de alunas que não possuem condições de arcar com o item. O parlamentar ainda salientou no pedido por aprovação do projeto:

“Esse projeto vai trazer muitos benefícios. Vai evitar que essas alunas deixem de frequentar as salas de aula no período menstrual de cada uma delas. A mudança será visível.”

Apoio de outros vereadores

Além disso, o deputado recebeu o apoio vários colegas da casa. É o caso da vereadora Liana Cirne (PT), que é autora do projeto de lei nº 224/2021. O texto prioriza que a capital pernambucana institua a Semana da Saúde e Higiene Menstrual e o Dia Municipal da Dignidade Menstrual.

“Infelizmente, vivemos ainda um tabu em relação à menstruação. Vossa Excelência traz à Câmara do Recife, de maneira pioneira, uma realidade que é invisibilizada. A pobreza menstrual impede pessoas que menstruam de ter dignidade.”

Contudo, a vereadora Dani Portela (PSOL) destacou as estatísticas sobre a pobreza menstrual:

“De cada quatro estudantes das escolas públicas, uma delas já faltou à aula por não ter dinheiro para comprar absorventes. Isso mostra o quanto as desigualdades sociais são sentidas de diferentes formas. A menstruação sempre foi tratada por diversas culturas como um tabu. E muitas dessas meninas que faltam aula não relatam o motivo por sentirem vergonha.”

De acordo com outros colegas, que também apoiaram a medida, a atenção agora deve ser para que a proposta também seja aceita pelo poder executivo. 

*Foto: Divulgação/Polina Zimmerman/Pexels