Como descartar corretamente os remédios?

Quem acha que pode jogar remédios vencidos ou cartelas vazias no lixo comum, está enganado; existem locais onde há a destinação correta para cada tipo de medicação

Muitas pessoas costumam esquecer caixas de remédios em gavetas, passando a usar seu conteúdo em casos esporádicos. Mas o que fazer quando esta medicação está com o prazo vencido? Pode simplesmente jogá-la no lixo comum? A resposta é não!

Descarte correto de remédios

É preciso saber identificar o resíduo que pode ser considerado lixo comum do resíduo ligado a medicações. Há um destino certo para a segunda categoria, que não é lixeira, nem pias e privadas. Há pontos de coleta específicos, como as farmácias. Portanto, basta procurá-las e se informar se lá possui o lugar de despejo para remédios vencidos.

Locais de descarte

No entanto, não são todas as farmácias ou unidades básicas de saúde que realizam o serviço de coleta desses remédios. Para ter certeza se existem estes locais específicos próximos de sua residência, o ideal é acessar o site do Programa Descarte Consciente. No portal, é possível encontrar tais estabelecimentos de coleta que cuidam para que seja feita a correta destinação da medicação.

Danos ambientais

De acordo com o membro do Conselho Federal de Farmácia, Éverton Borges, quando a pessoa descarta incorretamente os remédios que encontra em casa e que passaram do período de validade, isso pode gerar detrimentos ambientais, entre eles: contaminação de água, solo e animais, e ainda causa risco de impacto em populações que se encontram em vulnerabilidade, como as que trabalham em lixões. Em entrevista à Folha de São Paulo, o especialista ressaltou:

“Temos um consumo exagerado e irracional de medicamentos. Hoje é muito fácil adquiri-los, então há remédios em excesso, sem indicação. Acabamos com muitos medicamentos sobrando em casa”.

Para Borges, a indústria deveria facilitar o fracionamento dos remédios. Com isso, seria evitado que pacientes adquirissem embalagens maiores do que realmente é necessário. Todavia, ele reconhece que ainda há uma resistência do mercado farmacêutico para que esta mudança seja implementada.

Doação de remédios

Muitos devem se questionar em relação à afirmação de que não é certo jogar remédios no lixo comum. Em vez disso, eles podem pensar que tais medicações possam ser doadas, de repente.

A resposta para este caso seria a seguinte: não é correto também. Apesar de estar dentro do prazo de validade e uma pessoa doar para ajudar alguém e praticar uma caridade, a pessoa que ingerir a medicação pode ter problemas.

Sobre isso, Borges alerta que no caso de xaropes e pomadas, assim que abertas, elas podem vencer em pouco tempo de uso. Além disso, o modo como são guardados também pode modificar sua ação e, consequentemente, sua eficácia.

Portanto, a melhor solução sobre remédios e seus descartes é que a pessoa não cogite doá-los, se estiver dentro da validade e que também não aceite doações de medicamentos, incluindo pomadas e xaropes. E não se canse de procurar um local que realize a coleta adequada de tais produtos.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação