Força Local investe em mais arranjos produtivos do PE

Programa Força Local, do governo do Estado do Pernambuco, investirá em 12 novas iniciativas de 29 municípios, a partir de janeiro, segundo lista divulgada pela AD Diper

O Programa Força Local, do estado pernambucano investirá em mais arranjos produtivos locais. Ao todo, serão R$ 4,9 milhões que serão direcionados à execução de 21 projetos propostos por 13 entidades sem fins lucrativos, a partir de janeiro de 2020.

Nesta etapa vão ser contemplados setores como: caprinocultura, fruticultura, apicultura, avicultura, entre outros. O aporte financeiro integra o segundo chamamento público do programa da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper).

Programa Força Local – investimento

Do total a ser investido no ano que vem pelo Programa Força Local, R$ 2,7 milhões serão captados via AD Diper e outros R$ 2,2 milhões virão de entidades parcerias aprovadas, como o Sebrae, Centro de Capacitação e Formação Pública (Cefop), Cooperativa dos Produtores Agrícolas de Sapucarana (Coopasa) e Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (Iabs).

Já para a segunda etapa, a Agência de Desenvolvimento recebeu 43 proposições, entre outubro e novembro. Houve critérios técnicos para que fossem escolhidas as iniciativas. Com isso, 29 municípios pernambucanos, situados em regiões como Zona da Mata Norte, Agreste Central, Agreste Meridional, Sertão do Pajeú e Sertão do São Francisco foram beneficiados. Além disso, os projetos também beneficiarão diretamente 1.404 pessoas, no desenvolvimento de suas atividades produtivas.

15 dos projetos contemplados receberão recursos totais e seis deles contarão com apoio financeiro parcial, por não apresentarem os pré-requisitos do programa Força Local.

Possibilidade de desenvolvimento das regiões

Para Roberto Abreu e Lima, presidente da AD Diper, o Programa Força Local pode se destacar ainda mais nesta segunda etapa, além de fazer com que regiões específicas se desenvolvam, segundo explicou à Folha de Pernambuco:

“É o desenvolvimento chegando a municípios pequenos com economia menos dinâmica, chegando com projetos para desenvolver pequenos arranjos. Estamos otimistas, houve uma boa quantidade de propostas e vamos começar o ano que vem a colher resultados dos projetos que estão sendo executados.”

Roberto ressaltou ainda que para o ano que vem já existem propostas com o objetivo de beneficiar outras regiões do estado pernambucano, e que mais dois chamamentos públicos devem ser feitos:

“Através dessas fases nós vamos fazendo um plano de trabalho para cada projeto específico. A gente faz o acompanhamento, e no próximo ano vamos ter mais dois chamamentos de R$ 2 milhões, algo que vai agregar bastante”.

Fonte: Folha de Pernambuco

*Foto: Divulgação / Simone Medeiros / AD Diper