Gustavo Menelau explica sobre doenças comuns dos períodos de chuva

Gustavo Menelau alerta que com a quantidade grande de chuvas na região de Recife e áreas próximas, algumas doenças podem se tornar recorrentes.

Nos últimos dias a cidade de Recife, no Pernambuco tem sido castigada pelas fortes chuvas devido ao fenômeno das Ondas de leste. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta de acumulado de chuvas para cidades em Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Sergipe e Rio Grande do Norte.

No último dia 26, o instituto emitiu dois alertas para as cidades dos 5 estados nordestinos, um deles amarelo que significa perigo em potencial e chuvas de até 50 milímetros em um dia, e outro de nível laranja, que é de perigo e até 100 milímetros em 24 horas.

Estragos causados

Na última quarta-feira, moradores ficaram ilhados em casa, no Grande Recife. Além disto, houve deslizamento de barreiras que deixaram feridos e desabrigados.

As chuvas também impactaram o funcionamento de terminais de ônibus na região metropolitana, além de causar incidentes com barreiras, quedas de árvores e outros transtornos em diferentes cidades da região.

Aumento da incidência de doenças

Além dos estragos materiais e humanos que as chuvas vêm causando, elas também trazem uma incidência maior de certas doenças características já que deixam a população mais expostas.

As fortes chuvas que acometem a região aumentam os riscos de doenças infecciosas transmitidas por meio da água, seja por contato ou ingestão. Com isto, a Secretaria Municipal de Saúde alertou a população sobre os cuidados que devem ser tomados com as enfermidades já esperadas devido a situação. As mais comuns são leptospirose e dengue.

Essas doenças são conhecidas como doenças de veiculação hídrica ocorrem pela transmissão da água contaminada seja por vírus, bactérias ou outros agentes. A época de chuvas também pode facilitar o acúmulo de água parada e consequentemente a proliferação do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue.

Saiba como evitar as principais doenças características do período de chuvas:

Diarreia

Muito conhecida e comum, a diarreia consiste no desarranjo intestinal favorecendo a desidratação, que se não tratada adequadamente, pode levar a graves consequências, principalmente em crianças abaixo dos 5 anos.

“Diarreia é o aumento do número e volume das fezes, estando essas em estado líquido ou pastoso, associado ou não a outros sintomas como cólicas, náuseas, vômitos e febre, a diarreia é um sintoma de que algo não vai bem no organismo. Duas ou mais evacuações liquidas por dia já são consideradas diarreia, pode ocorrer com qualquer pessoa, independente da idade, sendo as crianças e idosos bastante acometidas, ainda é uma das mais importantes causas de mortalidade em todo o mundo.” Explica Dr. Gustavo Menelau, cirurgião geral e especialista em cirurgia do aparelho digestivo, formado pela UPE.

Gustavo Menelau
Gustavo Menelau

Como evitar

Para evitar a diarreia, é importante seguir alguns passos como:

  • Lavar as mãos com maior frequência;
  • Lavar bem os alimentos antes de consumir, com proporção adequada de água sanitária;
  • Beber apenas água filtrada ou mineral.

Sobre as formas de tratar a Diarreia, Gustavo Menelau orienta: deve-se fazer exames de sangue, fezes ou outros exames para de identificar qual a causa da diarreia, sempre sendo solicitados por profissionais ligados ao assunto

O tratamento vai depender da causa, mas deve-se sempre manter uma alimentação saudável, boa hidratação e medicamentos sempre prescritos por médicos.

Leptospirose

A ocorrência dos casos da doença tende a ser maior nos períodos de enchentes porque a enxurrada traz para os ambientes humanos a urina de roedores que estão nos esgotos e bueiros. Por isso, qualquer pessoa que entrar em contato com a água ou lama pode acabar infectada.

Para evitar a contaminação pela leptospirose, recomenda-se ficar o mais longe possível da água da enxurrada. Se o contato for inevitável, utilizar botas, luvas e proteção plástica extra. Além disto, é imprescindível a higienização de alimentos consumidos crus. Caso haja mantimentos que tiveram contato com a água da chuva, jogue-os fora imediatamente.

Após baixar o nível de água, caso haja enchentes, desinfetar bem a área afetada com toda proteção adequada.

Tratamento da Leptospirose

O tratamento é feito com internação hospitalar, em alguns casos em uti. Aliado a administração de antibióticos e cuidados de saúde. Quando provoca a paralisação dos rins se faz necessária a realização de hemodiálise.

Essa paralisação pode ser temporária ou pode destruir o rim e o paciente necessitar de hemodiálise constante por resto da vida, as formas leves evoluem em sua maioria bem, com a alta do paciente e retorno as suas atividades em algumas semanas.

Gustavo explica que a prevenção é o melhor remédio para a leptospirose: evitar o contato com águas que possam estar contaminadas, lavar as áreas apos exposição com água limpa e sabão, uso de botas e outros EPIs também ajudam na prevenção.

Chikungunya, Zika e Dengue

Doenças também muito comuns nos períodos quentes e chuvosos do ano, isso porque, com a chegada da época do calor e do período chuvoso, aumenta a quantidade de água parada, facilitando a proliferação do vetor dessas doenças.

Neste caso, o ideal é estar sempre atento ao acúmulo de água parada. Após a chuva, verificar todos os pontos de acúmulo da casa e da região que mora como por exemplo, pneus velhos, vasos, latas, caixas d’água abertas, etc.

Se possível, utilizar repelentes corporais para garantir uma maior proteção.

Pernambuco registrou recentemente aumento de 77,2% nas notificações de chikungunya; casos de dengue sobem 39,3%

Hepatite A

A transmissão da hepatite A está diretamente relacionada ao saneamento básico e higiene pessoal. Com o período de chuvas, os locais que possuem condições de saneamento básico precários costumam sofrer mais com a transmissão desta doença.

“A Hepatite a é uma doença infecciosa, bastante contagiosa, provocada por uma exposição ao vírus da hepatite a (HVA), apresenta um período de incubação em média de 7 a 30 dias apos contato com o vírus para desenvolvimento da doença e dos sintomas, que podem ser leves, ate passar desapercebido, mas também podem ser graves levando a acometimento do fígado, podendo em casos excepcionais levar a falência do fígado e morte.”, comenta Dr. Gustavo Menelau.

Normalmente transmitida por meio de alimentos mal lavados, também pode surgir com a ingestão acidental de água das chuvas contaminado.

Para saber mais sobre as chuvas que acontecem no território pernambucano, acesse o site da APAC. Caso sinta algum sintoma relacionado às doenças citadas, não hesite em procurar atendimento médico em uma unidade de saúde ou UBS mais próxima da sua residência.