Lojas de artigos carnavalescos no Recife: procura diminui

Lojas de artigos carnavalescos no Recife já contam com um prejuízo em torno de 60%, segundo os próprios lojistas

Por conta do avanço da ômicron, as lojas de artigos carnavalescos no Recife registraram uma baixa de movimento em torno de 60%, segundo os próprios lojistas. Consequentemente, os pequenos negócios foram afetados.

Lojas de artigos carnavalescos no Recife

Nas lojas de artigos carnavalescos no Recife é possível encontrar itens como sombrinhas de frevo, fantasias, confete, especialmente neste mês em que é colebrada a festividade.

Entretanto, a diminuição de clientes interessados nesses produtos também é evidente. E isso se deve ao cancelamento do Carnaval de rua e das festas privadas em Pernambuco.

Na terça-feira (8), André Longo, secretário estadual de Saúde, anunciou a decisão do cancelamento oficial da festividade para conter o avanço da Covid-19. Portanto, entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março, nenhum tipo de evento ou festa, privada ou pública, pode ocorrer em Pernambuco.

Os lojistas

Além disso, segundo a gerente da Casa Lapa, Janaína Fernandes, loja que vende artigos de época situada na rua das Calçadas, a movimentação da loja no mês de janeiro deste ano foi menor do que no mesmo período de 2021. Por outro lado, antes da pandemia, a gerente disse que a movimentação era como um  “Galo da Madrugada dentro da loja”.

“Infelizmente, as expectativas não são boas. As pessoas estavam até animadas comprando decorações para enfeitar escolas e residências, mesmo que de forma singela. Agora, notamos um esfriamento nas vendas.”

Ela explicou ainda que os estoques dos produtos foram comprados com restrição de quantidade. Sendo assim, a loja passou a comprar os produtos com certo receio. Porém, decidiram se arriscar mesmo assim e dividiram as compras em lotes.

Em contrapartida, quando viram o decreto com a restrição da quantidade para 3.000 pessoas nos eventos, “eu automaticamente cancelei a compra de mais produtos, para a gente não adquirir dívidas sem vendas”.

Para a decoradora Regeane da Silva Ribeiro, que estava comprando alguns artigos para decorar uma residência, poucas pessoas estão procurando realizar decorações com o tema de Carnaval.

Decorações

Já no setor de decorações carnavalescas, a pandemia reduziu ainda mais este tipo de compra e todos ficaram com medo. A redução nestes artigos foi de 40%.

“A gente vai fazer algumas decorações, mas de pessoas que vão fazer o Carnaval em casa com a família mesmo.”

Prejuízo em torno de 60%

Segundo o gerente do Líder Atacarejo, Rosélio José, a redução das venas de produtos carnavalescos se disseminou em todo centro do Recife. E o prejuízo financeiro foi em torno de 60%. Porém, a procura pelos produtos se sobressai para os clientes que decoram as suas casas para celebrar com a família.

“Sem a pandemia, a movimentação seria bem diferente. No Recife, a cultura carnavalesca mobiliza toda a cidade e estaríamos de vento em popa aqui, vendendo muito. Nos dias nove e dez de fevereiro, os estoques já estavam quase acabando, porque o pessoal sempre antecipava essas compras. Hoje é totalmente atípico e diferente dos momentos bons que passamos há 2 anos.”

*Foto: Reprodução