Margem de inflação pode ser de 3,47% em 2020

Para o próximo ano, a perspectiva de inflação se mantém em 3,75%, segundo o mercado financeiro

O Banco Central consultou algumas instituições financeiras e segundo elas poderá haver redução da estimativa para a inflação de 2020. Nesta segunda-feira (27) foi divulgada a projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que registrou queda de 3,56% para 3,47%.

Inflação segundo boletim Focus

O dado está presente no boletim Focus, que é pesquisa semana publicada pelo BC. Ela traz as projeções de instituições para os principais indicadores econômicos. Para o ano que vem, a perspectiva de inflação se mantém em 3,75%. Para os próximos anos, a previsão também não apresentou mudanças, ficando da seguinte forma: 3,50% em 2022 e 2023.

Já para a projeção deste ano, o dado está inferior em relação ao centro da meta do índice inflacionário que deve ser perseguida pelo Banco Central. A meta é estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que em 2020 é de 4%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Todos os dados foram anunciados pela Agência Brasil.

Taxa Selic

O BC utiliza como principal instrumento para que seja atingida a meta de inflação a taxa básica de juros Selic, que hoje está afixada em 4,5% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Conforme o boletim divulgado nesta segunda, o índice deve cair para 4,25% ao ano até final de 2020.

Já para 2021, a estimativa é que a taxa básica seja elevada para 6,25%. E para os próximos dois anos subsequentes, as instituições esperam que a Selic encerre os períodos em 6,5% ao ano.

Em relação à projeção para a ampliação do Produto Interno Bruto (PIB) não houve alteração, mantendo-se em 2,31% para este ano. As estimativas das instituições financeiras para os anos de 2021, 2022 e 2023 também não sofrerão alterações, permanecendo em 2,50%.

Além disso, a previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar está, atualmente, em R$ 4,10 para o fim de 2020 e R$ 4 para o ano que vem.

Fonte: Folha de Pernambuco]

*Foto: Divulgação