Passeio de caiaque em Mamanguá: que tal conhecer esta região do RJ?

Passeio de caiaque em Mamanguá pode chamar atenção de amantes da natureza

Um paraíso no estado do Rio de Janeiro, onde é possível andar de caiaque, observando a correnteza das águas e o cantar dos pássaros. Tudo isso acontece na região de turismo do Saco do Mamanguá.

Passeio de caiaque em Mamanguá

O passeio de caiaque em Mamanguá chega a ser um paraíso natural. E é simples chegar neste paraíso natural, basta partir de Paraty Mirim, um bairro de Paraty. Além disso, o percurso é curto (quase 17 km), sendo parte dele feito por estrada de terra. Mas quem estiver de carro, pode deixar o veículo num estacionamento (pago). Em seguida, pegue um barco e em vinte minutos chegará às principais opções de hospedagem.

Por ter poucos locais para se hospedar, o ideal é fazer a reserva com antecedência. Um dos exemplos ali é o Mamanguá Beach House.

Travessia

Já a travessia de Paraty Mirim até a região do Saco não é barata. Ela pode custar em torno de R$ 130 (referência setembro 2021) apenas pela ida. Mas se for em grupo pode conseguir um desconto. De Paraty Mirim até o Saco também dá para fazer por trilha. Porém, a caminhada é pesada e exige melhor preparo físico.

O Saco do Mamanguá possui 8 quilômetros de comprimento e 1,5 km quilômetro de largura. A profundidade chega a 10 metros em sua entrada e em vários pontos varia entre 1 e 3 metros. Doze rios drenam suas águas para dentro do Saco, levando muita matéria orgânica. Portanto, quanto mais para dentro dele mais escura e mais rica em nutrientes é a água. Muitas espécies vão para lá reproduzir.

Fiorde tropical

Esta região é comumente chamada de fiorde tropical. Isso por causa de seu formato, que é similar a de um fiorde.

De acordo com o biólogo marinho Rogério Giorgi Hristov, que também é guia turístico e condutor de práticas esportivas há quase vinte anos pela região, explica que tecnicamente não é um fiorde, mas uma ria (espécie de vale fluvial).

“A formação de um fiorde tem a ver com gelo. A descida do gelo durante a deglaciação faz abrir essas ranhuras, é a chamada erosão glacial. Já a ria é diferente. Aqui era um vale por onde drenava um rio, na última deglaciação houve elevação do nível do mar e essa área foi aberta ganhando uma formação similar ao fiorde, que é o Saco de Mamanguá.”

Como funciona o passeio de caiaque

A explicação é dada durante o passeio de caiaque, que é realizado pela agência Interação Paraty.

Hristov deixa claro sobre a importância da preservação do manguezal como um berçário marinho, da conscientização sobre o papel do homem diante do meio ambiente, além da riqueza botânica do local. O passeio dura praticamente o dia todo. Você pode remar sozinho ou em dupla por uma média de 1h30 a 2h. Para descansar e desfrutar das belezas há uma parada de meia-hora ou até um pouco mais. Tudo isso para dar tempo de contemplar uma cachoeira com piscina natural. Após esta parada, acontece um almoço numa comunidade caiçara.

Equipamento

E não se preocupem! Os caiaques são capazes de entrar em rios, manguezais, comunidades caiçaras. E em alguns locais onde só é possível entrar em embarcações deste tipo.

O tour começa em torno das 9h e retorna por volta das 16h30.

A equipe da Interação Paraty conhece bem o lugar e é a favor da preservação da natureza e da comunidade no entorno. Ela promove, por exemplo, educação ao ar livre, impulsiona a cultura local, realiza oficinas de artesanato, pescaria, entre outras ações.

Escolas costumam realizar visitar em grupos e os estudantes podem conhecer uma casa de farinha. Lá, eles colhem a mandioca, participam de todo processo de produção e levam o produto para casa.

*Foto: Divulgação