Pfizer para crianças de 5 a 11 anos: Anvisa avaliará autorização

Pfizer para crianças de 5 a 11 anos terá dosagem reduzida, por conta de estudos mostrarem que esta faixa etária necessita de dose menor que a administrada em jovens a partir de 12 anos

Nesta sexta-feira (12), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu o pedido para incluir crianças de 5 a 11 anos da bula da vacina Comirnaty, produzida pela Pfizer. O resultado da análise sai em até 30 dias.

Pfizer para crianças de 5 a 11 anos

De acordo com o pedido, a Pfizer para crianças de 5 a 11 anos terá dosagem será reduzida, por conta de estudos mostrarem que esta faixa etária necessita de dose menor que a administrada em jovens a partir de 12 anos. Para isso, a Pfizer propôs fabricar frascos de cores diferentes para especificar o que será destinado a cada público.

Em nota, a Anvisa explicou:

“A análise técnica feita pela Anvisa será feita de forma rigorosa e com toda a cautela necessária para a inclusão deste público específico.”

Já a infectologista da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Raquel Stucchi, afirma:

“Precisamos vacinar as nossas crianças porque elas são uma fonte importante de transmissão. Nós temos também a flexibilização que vem se acelerando muito no país apesar das nossas coberturas vacinais não autorizarem (essa medida), do ponto de vista sanitário.”

A farmacêutica

Por outro lado, a farmacêutica anunciou em 27 de outubro que entraria com a solicitação neste mês, mas não estabeleceu uma data. Entretanto, no dia seguinte, cinco diretores da Anvisa receberam uma ameaça de morte, por e-mal, diante da possibilidade de analisar imunizantes para crianças.

Outros dois ataques virtuais se repetiram na semana seguinte. Porém, dessa vez, se estenderam a funcionários e terceirizados da agência e seus familiares.

Inquérito

De acordo com uma apuração do jornal O GLOBO, a Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal (PFDF) abriu inquérito para investigar os ataques. E a Polícia Civil do Estado do Paraná (PCPR) identificou o autor da primeira ameaça. Apesar da corporação não revelar a identidade do autor, a reportagem apurou que ele é um empresário, morador de Curitiba e tem 49 anos.

Ataques

Para Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, essas ameaças soam como uma “dificuldade adicional totalmente desnecessária, descabida, criminosa” ao trabalho da agência. Ainda em declaração ao O GLOBO, o almirante disse que solicitou à PF segurança aos trabalhadores e às instalações da agência.

Por fim, o pedido feito pela Pfizer à Anvisa segue o exemplo do que foi entregue ao Food and Drug Administration (FDA), agência regulatória dos Estados Unidos.

*Foto: Divulgação