Praia de Galinhos é o novo destino do verão

Localizada no Rio Grande do Norte, Praia de Galinhos se torna novo atrativo do verão nesta região do Brasil

A próxima temporada de verão no país já possui destino certo para quem deseja se refrescar longe da badalação, além de dunas de areia, trata-se da Praia de Galinhos, no Rio Grande do Norte, onde está seu distrito vozinho, Galos. O acesso até este paraíso não é tão fácil, distante 170 Km da capital, Natal.

Praia de Galinhos

A Praia de Galinhos é isolada por dunas e água salgada, além de estar situada na ponta de uma península, ocupando uma área de 342 km².

Portanto, para chegar ao pequeno lugarejo, é preciso utilizar um barco, ou ainda bugues e carros de tração 4×4, conduzidos por quem realmente conhece a região. No entanto, não está descartada a possibilidade de atolar o veículo na areia fofa. Uma dica é seguir por estrada de asfalto pela BR-406.

O trajeto dura cerca de duas horas, cortando a vegetação da caatinga e também cruzando pequenas cidades perdidas no tempo.

Por fim, é possível estacionar o veículo no porto de Pratagil, mantido pela prefeitura e é gratuito, com segurança 24h. De lá, basta tomar uma das embarcações que realizam a travessia em 15 minutos.

Aventureiros

Já para os amantes de aventura, a opção é seguir de bugue de São Miguel de Gostoso até a Praia de Galinhos, num percurso de 80 km.  

Galinhos possui praias tranquilas de águas mornas e cristalinas, que lembra um ambiente rústico. O local conta com poucas ruas asfaltadas por paralelepípedos. A maioria ainda permanece de areia, por onde andam bugues ou burros-táxi e ainda charretes puxadas por bichinhos. Este último é um passeio que vai até o farol, em meia hora de viagem e que custa R$ 30.

O farol foi construído em 1931 e é por onde as navegações de orientam. Além de ser também um ponto turístico para contemplar o pôr do sol, na praia do Farol. Este é o trecho mais seco da costa brasileira, com chuvas raras, entre março e abril.

Habitantes de Galinhos e Galos

Em ambiente bucólico e acolhedor, Galinho e seu distrito vizinho, Galos, possuem menos de 3.000 habitantes. Ambos os destinos turísticos têm atraído estrangeiros, especialmente os franceses, que querem sossego em vez do agito da praia da Pipa e de Natal.

Os dois distritos integram a Costa Branca, de vegetação da caatinga, dunas multicoloridas, falésias, praias extensas e desertas, e que também é uma das maiores produtoras de sal do país.

O nome Galinhos está ligado a histórias antigas, contadas por pescadores. Nesta região havia o peixe-galo, em espécie menos, conhecida como “galinhos”. Já na praia ao lado, a pescaria era outra, num estilo mais graúdo, a de peixes-galo do alto, bem maiores que os seus vizinhos. Sendo assim, as praias foram batizadas de Galinhos e Galos, respectivamente.

As belezas naturais também fazem do lugar um ponto certo para quem deseja sossego. Alguns turistas confundem o traço largo que separa o município do continente, que na verdade é um braço de mar, e não um rio. No local, há um mangue preservado, com a presença de caranguejos e ostras, fixadas às raízes, além de cavalos-marinhos, peixes-morcegos e estrelas-marinhas. Pela alta concentração de sal, é fácil poder ficar boiando por ali.

Gastronomia

Com este cenário aconchegante acontecem tours gastronômicos, preparados pelo morador da região, Júnior Tubarão, de 29 anos. Ele oferece passeio de barco, onde espécies de peixes, plantas e aves, como a rara garça-azul. Há uma pausa na Gamboa da Areia, na intenção de coletar ostras que depois serão saboreadas pelos turistas, na companhia de um branco ou espumante.

Já no parque eólico nas Dunas do Capim, é possível observar cata-ventos gigantes. Em seguida, o bugue pode cruzar montes de areia, com paradas estratégicas para admirar o Atlântico. Um dica de quem já passou por esta região é proteger bastante a boca e os olhos, pois ali venta muito, com correntes que podem atingir 50 km, que são ideais para a prática de esportes náuticos, como kite e o windesurfe.

Disposição para desbravar Galinhos e Galos

Uma outra dica de quem conheceu a região é ter disposição para caminhas, tanto pela Praia de Galinhos como pela Praia de Galos, e encarar suas dunas. Porém, o esforço é recompensado por seus banhos relaxantes nestas praias mais calmas do Rio Grande do Norte.

Por ser um lugar rústico e sem luxo, o ideal é levar dinheiro em espécie, mesmo que já tenha estabelecimentos que passam cartão de débito e crédito. Em ambas as cidades, não existem caixas eletrônicos. Portanto, é preciso planejamento mesmo para visitar as duas localidades.  

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação